segunda-feira, 11 de junho de 2007

O Meu Chamado





Não é a teologia que nos faz pastor, no meu caso, o curso de teologia está me tornando uma teóloga e está me dando várias ferramentas para o exercício do ministério. Agora o pastorado é um dom que se manifesta muito antes de fazermos teologia e a comunidade é quem testifica isso. Na minha igreja, por exemplo, todos já esperavam que eu fizesse o seminário. Eu não era pastora, mas, a comunidade via em mim, uma pastora "em potencial", isto é, acreditavam que eu daria uma boa contribuição como pastora. È necessário acreditar no chamado, ter convicção do mesmo, pois é uma escalada muito árdua, não é pra qualquer um, quando somos chamados ainda assim precisamos fazer prova desse chamado assim como Gideão o fez, assim como Débora que entregou o recado de Deus a Baraque e certa de que realmente foi Deus quem falou com ela foi a frente à grande batalha e venceu em nome de um Deus de poder que quando chama, ordena e se responsabiliza. Cada pessoa tem uma história de vida e uma consciência que deve ser respeitada. É recomendado aquilo que a Bíblia recomenda, e permitido aquilo que a Bíblia não proíbe, ou seja, que não contraria princípios bíblicos. As únicas pessoas que Jesus sempre rejeitou foram os que queriam justificar-se a si mesmas, os religiosos “justos”. (Fariseus) Sejamos exemplo, principalmente nós pastores que somos espelho para muitos, que tenhamos um comportamento digno de despenseiros de Cristo, na Bíblia percebemos que o apostolo Paulo mudou a sua visão em relação à mulher como diaconisa (Febe), apostola (Junia), e muitas outras, pois o mesmo começou a pedir aos demais que recebessem bem, porque ele foi bem recebido e assessorado na sua labuta ministerial pela as mesmas (Evódia e Síntique). E lembro também o chamado (A Samaritana, mais uma apostola) que fez muitos irem ao encontro de Jesus. E hoje reforço a minha convicção do chamado para as mulheres no ministério, porque me é testemunhado por muitos colegas pastores de diferentes denominações que as mulheres tem-se dedicado de maneira extraordinárias como boas e responsáveis ceifeiras do reino de Cristo. Tem sido ordenadas pastoras e tem sido uma grande bênção. Escolhi ser uma pastora não pelos benefícios, ou status que poderia receber de tal vocação, mas pelo desejo de servir ao meu Mestre Jesus com os dons por Ele dados a mim e na área que ele estava me dirigindo. Até o presente momento não recebo salário para cumprir com esse meu chamado, portanto, não pode ser visto como uma desculpa ou profissão para ajudar o marido no sustento familiar. Tenho a minha profissão e sou feliz com que faço em todos os aspectos. Falo de mim, pois me responsabilizo pelos meus atos e sei da responsabilidade, do compromisso que preciso ter com a minha pessoa, pois sou a maior administradora de mim mesma. Tudo o que envolve a minha vida, como: família, igreja, amigos, colegas, vizinhos e etc... enfim o meu sucesso como uma cristã, mãe, esposa, profissional e amiga que sou, depende única e exclusivamente de mim.Um abraço fraterno com um ósculo santo.
Pastora Rosangela

2 comentários:

byemaite disse...

Pastooora :)

A Senhora veio pro "blogspot"! Que bom! Assim vai ficar mais fácil de falar com a Senhora! Bem vinda!

Um beijo, boa semana! :}
Amo muito você.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.